segunda-feira, 30 de julho de 2012

pontal atafona


foto: aluysio abreu barbosa


Conhecido cientificamente como transgressão marinha, desde que o avanço do mar teve início, ainda nos anos 60 do século passado, na praia de Atafona, no município de São João da Barra, muitas são as saudades que nem o oceano Atlântico conseguiu submergir. A última delas, começou a bater ontem, junto com a força das ondas que destruíram o piso do Bar do Bambu, instalado há cinco anos e meio na antiga casa de barco da família Aquino, última construção que ainda se mantinha de pé no Pontal, mágica faixa de areia entre o oceano Atlântico e o rio Paraíba do Sul, famosa por reunir no mesmo espaço veranistas, pescadores, beberrões, famílias, amantes e poetas.

Desde que Neivaldo Soares, o "Bambu", se instalou de mala e cuia na construção, há cinco anos e meio, para lá instalar sua casa e seu bar, o local serviu como ponto de encontro obrigatório e libertário para todos que buscavam o Pontal para apreciar sua inigualável beleza natural, beber uma cerveja gelada, desgutar peixe ou camarão sempre frescos e fritos na hora, além de ouvir as muitas histórias contadas pelo dono do estabelecimento. Quase sempre verborrágico, sobretudo quando aditivado por uma caninha, mesmo quando fantasiava, Neivaldo, como genuíno poeta de vida, endossava Cazuza, poeta da vida e do verbo: "Mentiras sinceras me interessam".

Foi com a poesia, aliás, que o Bar do Bambu teve seu ponto alto. No verão de 2010, com a peça "Pontal", dirigida por Kapi, interpretada por Yve Carvalho, Sidney Navarro e Artur Gomes, com poemas de Aluysio Abreu Barbosa e Adriana Medeiros (além dos próprios Kapi e Artur), com patrocínio da Prefeitura de São João da Barra, o estabelecimento conheceu seu maior público, com média de 80 pessoas por cada apresentação de quinta a domingo, que se estendeu por um mês. A partir dali, de lugar alternativo, majoritariamente buscado por jovens, o espaço passou a ser também a ser frequentado por famílias e casais de meia idade, seduzidos pela beleza natural do lugar, pela decoração originalíssima do bar, com cascos de tartaruga, mandíbulas de tubarão e ossos de baleia, e pelo papo de Neivaldo.

Despejado pelo mar, o projeto de Neivaldo agora é atravessar o rio, se mudando mais uma vez de mala e cuia para a casa que já comprou na ilha do Pessanha, segundo ilhota da foz do Paraíba, depois da ilha da Convivência, ambas pertencentes ao município vizinho de São Francisco de Itabapoana. Quanto às ondas nascidas da cruza entre Netuno e Iemanjá, que ontem encerraram o fim da sua era no Pontal, seu último filósofo respondeu com a mesma generosidade com que sempre acolheu os fregueses do seu bar: "A natureza é singular e soberana. Continuo adorando ela!"

Aluysio Abreu Barbosa

quinta-feira, 26 de julho de 2012

terra



entre/aberto
em teus ofícios
é que meu peito de poeta
sangra ao corte das navalhas
minha veia mais aberta
é mais um rio que se espalha

amada
de muitos sonhos e pouco sexo
deposito a minha boca no teu cio
e uma semente fértil
nos teus seios como um rio

o que me dói
é ter-te
devorada por estranhos olhos
e deter impulsos
por fidelidade

ó terra incestuosa
de prazer & gestos
não me prendo ao laço
dos teus comandantes
só me enterro a fundo
nos teus vagabundos
com um prazer de fera
e um punhal de amante

arturgomes

quarta-feira, 25 de julho de 2012

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Uma noite de fevereiro


Elegia para duas almas beats

Foto: Divulgação

Neal Cassady, um dos nomes famosos da beat generation

para neal cassady & roberto piva
     
                                                                         era uma noite de fevereiro.

                                                                         naquele dia, anos atrás, 
                                                                         seu corpo foi encontrado
                                                                         nos trilhos de uma via férrea.
                                                                         naquela noite de fevereiro,
                                                                         anos depois, tive uma visão.
                                                                         você, com seu jeito petulante e alegre
                                                                         aparece em meu escritório.
                                                                         sem nada entender, pergunto:
                                                                         o que quer aqui?
                                                                         você dá uma grande gargalhada
                                                                         e desaparece.
                                                                         então, naquela noite de fevereiro
                                                                         escrevi o melhor poema de minha vida,
                                                                         mas como todos os melhores poemas
                                                                         este desapareceu tão logo surgiu.
                                                                         continuei não entendendo nada!
                                                                         até que hoje, depois de tantos anos
                                                                         percebo sua mensagem
                                                                         sobre a importância de pessoas
                                                                         que até tem sonhos, como você,
                                                                         de ser escritor
                                                                         poeta
                                                                         músico
                                                                         artista, enfim
                                                                         mas cuja missão é desagregar
                                                                         diluir o que existe 
                                                                         apontar para o que interessa.
                                                                         e você, neal, foi essa pessoa.
                                                                         sua vida impregnou os jovens beats
                                                                         os fez 
                                                                         poetas, escritores, artistas.
                                                                         você quebrou valores
                                                                         se desentendeu com todos que te amavam
                                                                         mas fez e refez aqueles jovens 
                                                                         tornando-os diferentes,
                                                                         destinados a mudarem o jeito de ser.
                                                                         meu poema se perdeu,
                                                                         por isso posso dizer 
                                                                         foi o melhor poema que escrevi até hoje
                                                                         mas o que isso importa?
                                                                         sua presença me fez compreender seu papel
                                                                         desagregador
                                                                         diluidor
                                                                         e, como santo endemoninhado,
                                                                         ajudou todos os beats a se repensarem
                                                                         enquanto seres destinados a priorizar a vida
                                                                         e o que ela tem de mais sagrado,
                                                                         a vida.
                                                                         era o dia quatro de fevereiro de 1968
                                                                         seu corpo caído nos trilhos da via férrea
                                                                         carcomido pela heroína
                                                                         cumprindo a profecia de ginsberg
                                                                         que tinha visto as melhores cabeças de sua geração
                                                                         destruídas pelas drogas e pela loucura.
                                                                         aqui, na linha abaixo do equador,
                                                                         onde se diz não existir nem pecado nem perdão,
                                                                         o pecado comia solto.
                                                                         as melhores cabeças 
                                                                         mergulhavam no poço negro
                                                                         onde só se ouviam as ordens militares
                                                                         ceifando vidas.
                                                                         No final daquele ano os gritos aumentaram
                                                                         e o poço ficou ainda mais negro.
                                                                         não tínhamos uma geração beat
                                                                         não tínhamos um neal cassady
                                                                         nem jack kerouac nem allen ginsberg
                                                                         e muito menos um william burroughs.
                                                                         mas seus espíritos flutuavam 
                                                                         e sem que ninguém percebesse
                                                                         infiltravam-se sorrateiros 
                                                                         nas cabeças de poucos. 
                                                                         notícias pipocavam aqui e ali
                                                                         os vagabundos iluminados apareciam 
                                                                         nas reportagens de revistas e jornais
                                                                         como pareciam ser, 
                                                                         vagabundos.
                                                                         nos brancos das letras impressas
                                                                         uns e outros percebiam 
                                                                         aqueles vagabundos
                                                                         eram também iluminados
                                                                         beatíficos.
                                                                         uma possibilidade
                                                                         dar vazão a essas vozes
                                                                         ressoá-las
                                                                         de forma silenciosa
                                                                         penetrante
                                                                         mexendo com as cabeças
                                                                         de muitos, menos daqueles que, iludidos, 
                                                                         acreditavam que a salvação estava na ponta da baioneta
                                                                         e nomeavam estas vozes dissonantes
                                                                         de geração perdida
                                                                         loucos, drogados e viados.
                                                                         e não percebiam que a vida
                                                                         é para ser vivida
                                                                         como uma obra de arte
                                                                         não num futuro distante
                                                                         nem próximo
                                                                         mas agora
                                                                         aqui
                                                                         enquanto escrevo estas linhas
                                                                         ou enquanto você as lê
                                                                         ou as ouve.
                                                                         você neal, não deixou nenhum poema
                                                                         mas viveu a vida como se ela fosse um poema.
                                                                         aqui
                                                                         abaixo da linha do equador
                                                                         onde dizem que não existe nem pecado nem perdão
                                                                         um poeta que vivia a vida como se fosse um poema
                                                                         e escrevia poemas como se fosse a própria vida
                                                                         balançou o coro dos contentes.
                                                                         desagregou as receitas literárias
                                                                         e transformou a poesia.
                                                                         ele é em tudo diferente de você
                                                                         você é bonito, magro e alto.
                                                                         ele, confesso, acho muito feio,
                                                                         baixo e gordo
                                                                         mas sua voz grave e rouca
                                                                         dá uma densidade aos poemas
                                                                         que jamais vi poeta algum fazer.
                                                                         e para ele a vida era uma grande festa
                                                                         como era para você.
                                                                         um dia, fantasiado de batman
                                                                         junto com seu namorado, de Robin,
                                                                         saltaram, feito dupla dinâmica,
                                                                         do telhado da escola onde estudávamos.
                                                                         claro, estávamos todos bêbados, drogados
                                                                         dançávamos, ouvíamos música e festejávamos.
                                                                         no salto batman quebrou uma perna.
                                                                         não sei se depois disso robin continuou namorando-o
                                                                         o que sei é que sua poesia continuou sendo produzida
                                                                         com verve
                                                                         e violência
                                                                         você, neal cassady, morreu nos trilhos de um trem
                                                                         ele, roberto piva, na cama de um hospital
                                                                         hoje, quem sabe, vocês estejam juntos
                                                                         gozando a minha cara
                                                                         enquanto tento escrever uma poesia
                                                                         só para entender
                                                                         da importância de gente como vocês
                                                                         que vem ao mundo pra fuder
                                                                         a cabeça alheia
                                                                         e abrir novos horizontes
                                                                         que jamais perceberíamos
                                                                         se não você gente como vocês.
                                                                         obrigado neal
                                                                         obrigado piva.


Cesar Carvalho é Doutor em História pela UNESP, Assis, e professor do Depto. de Ciências Sociais da UEL – Universidade Estadual de Londrina. Contato: c_carvalho@uol.com.br.

quarta tem sarau no quarto

o Tropicalirismo de Artur Gomes
com Mário Pirata - participação especial: May Pasquetti
Dia 18 de julho de 2012 às 19h
4º andar - Sala o Retrato
Centro Cultural CEEE Erico Veríssimo
Rua dos Andradas, 1223 - Porto Alegre-RS

terça-feira, 10 de julho de 2012

Aldeia Grande

“É preciso dividir felicidade, é preciso interfeliz nessa cidade” – (Aljor)
  
Que grande aldeia é essa? Que  potência transformadora esse novo-homem-velho, interconectado e autônomo traz? Essas perguntas provavelmente já estão sendo respondidas de diversas formas, sob vários tipos de olhares, leis, políticas públicas (mesmo que débeis e corrompidas), por códigos formais ou informais, e que de alguma forma problematizam  e intensificam a diversidade destes tempos movimentados do agora, com sua impermanência e ressignificados .

 Tudo isso impulsiona inexoravelmente, os muitos ( velhos e novos) fazeres humanos, provocando uma espécie de rede de força sinérgica e contínua, que alimenta uma teia de  muitas diferentes formas , modos e gestos  culturais no interminável dialogo das maneiras várias.


  O homem aldeia-subúrbio-local hoje pode  amplificar seus signos, conectar suas antenas-cabeças-corpos , dinamizar seus diálogos e deixar de ser invisível ao se apoderar dessa mala de ferramentas tecnológicas (antiquíssima), que de certa forma, está mais disponível , propondo interferências e interações renovadas.
  
O homem urbano pode  deixar de ser esse indivíduo-produto-beneficiado das enormes máquinas-cidades de moer gente, pode  deixar de ser esse corpo inerte sem cabeça urbano, encaixotado em edifícios-cavernas e passar continuadamente a questionar os modelos dominantes de vida contemporânea em cidades, corroendo as fundações dessas macroestruturas capitalistas condensadas  em argamassas políticas, que domesticam  e administram seu homogeneizado cotidiano. E, ao resgatar suas múltiplas vozes  e conectá-las, como nos maravilhosos pequenos movimentos estratégicos e pedagógicos das aranhas, com suas teias incríveis que se espalham ali pelo quintal, ele também se modifica e modifica os seus ambientes.

 A Aldeia Grande é música irresponsável e poesia em experimentação, são movimentos inquietos, diversos, partindo dos múltiplos olhares suburbanos.
  
Aldeia Grande é o indivíduo-coletivo, é o homem multicultural, é a diáspora na sua dimensão planetária, é o tempo em movimento, é a reinterpretação das diversas realidades partindo do lugar, é o reconhecimento da geografia única dos ambientes  de vida comum nas periferias,é diálogo direto atemporal com as multiplicidades das configurações urbanas, é política, é arte, é Africárea, é o umbigo do planeta por onde todas coisas saem e entram infinitamente num movimento de renovação constante .
     
E mais ainda, é uma ambiência onde o agora  estará sempre ancorado na  impermanência de qualquer momento ou lugar,  é nossa memória-movimento  estampada em gestos comuns, e que permanece reinventada, como muitos toques dos tambores dos mundo, numa elipse infinita, sem tempo ou lugar .


MARKO ANDRADE
ALDEIA GRANDE

quinta-feira, 5 de julho de 2012

metáfora quase poesia - mel da vida inteira




na cama ontem abracei a tua ausência
agarrado ao travesseiro
pensando tua boca melada 
com todo mel do engenho
sentindo que ainda tenho
 desejo dos beijos     roubados
em noite de namorados quantas sonhei
teu corpo num pomar de frutas secretas
mangas pêssegos jabuticabas amoras
quero comer como outrora até mergulhar comigo
lá no mar do teu mais íntimo
porto inseguro do teu cais
em pleno vão do teu umbigo minhas unhas tuas coxas 
lambendo o sexo pelas costas
no litoral do teu pescoço
do teu corpo quero a pele a carne o sangue
da medula até o osso 


arturgomes
www.tvfulinaima.blogspot.com

segunda-feira, 2 de julho de 2012

O Olho Azul do Mistério


foto: artur gomes


desço dos céus para beijar
os lábios quente da fera – desço,
vejo dragões pastando na grama
azul, incêndio nas cortinas
dos apartamentos – desço,
escuto um coro de crianças
bêbadas, vozes batendo no casco
do navio fantasma ancorado
no Cais da Última Utopia – vejo,
sinto na pele os dedos de uma androide
aflita, quase em pânico, mãos
de neblina, pálpebras que se fecham
toda vez que toco o bico dos seios – escuto,
encaro olho no olho o olho
do Grande Gavião Terena, leopardos
lambem o leite da Via Láctea, saltam
com garras envenenadas sobre
as penugens de Vênus, penetram
o cu da lua, pregas se rompem,
espelhos se estilhaçam e rasgam a carne
dos banqueiros que sugam o vinho
da vida canudinhos cedidos
pelo senhor Mc Donald – sinto,
e por isso escrevo, e por isso deixo aqui
palavras escritas na água, na carne
dos que sofrem, escrevo com sangue, escrevo
com porra nas paredes das salas
iluminadas com a luz monótona dos aparelhos
de televisão, escrevo com mijo nos muros
das cidades do Ocidente, convoco hidras,
provoco tumulto, estrelas sentam-se no sofá
e tomam café marroquino, os sentidos
mixam o onde e o quando na câmara
oca de ecos, a apele se arrepia, relógios
praticam saltos ornamentais em piscinas
vazias, neve ao redor dos cabelos, chove
na terra inteira, dedos de açúcar tocam
a escama dos peixes, o corpo todo pressente
a presença de um deus, e você finalmente encara
o úmido olho azul do mistério

Ademir Assunção
In A Voz do Ventríloquo