terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Pontal Foto Grafia





Pontal Foto.Grafia

Aqui,
redes em pânico
pescam esqueletos no mar
esquadras – descobrimento
espinhas de peixe
convento
cabrálias esperas
relento
escamas secas no prato
e um cheiro podre no
AR

caranguejos explodem
                                    mangues em pólvora
                                    Ovo de Colombo quebrado
areia branca inferno livre
                                             Rimbaud - África virgem –
carne na cruz dos escombros
trapos balançam varais
telhados bóiam nas ondas
tijolos afundando náufragos
último suspiro da bomba
na boca incerta da barra
esgoto fétido do mundo
grafando lentes na marra
imagens daqui saqueadas
Jerusalém pagã visitada 

Atafona.Pontal.Grussaí 


as crianças são testemunhas:
Jesus Cristo não passou por aqui

Miles Davis fisgou na agulha
          Oscar no foco de palha
cobra de vidro sangue na fagulha
                          carne de peixe maracangalha
que mar eu bebo na telha
que a minha língua não tralha?
                              penúltima dose de pólvora
palmeira subindo a maralha
punhal trincheira na trilha
cortando o pano a navalha
fatal daqui Pernambuco 

Atafona.Pontal.Grussaí 


as crianças são testemunhas:
 Mallarmè passou por aqui

bebo teu fato em fogo
                punhal na ova do bar
palhoças ao sol fevereiro
                aluga-se teu brejo no mar
o preço nem Deus nem sabre
                sementes de bagre no porto
a porca no sujo quintal
                                       plástico de lixo nos mangues
que mar eu bebo afinal?

Artur Gomes


Publicado na Antologia Internacional - Eco Arte Para Re-Encantamento do Mundo, organizada pela Bióloga Michelle Sato e editada pela Universidade Federal do Mato Grosso – 2011 – Publicado na Antologia Poesia do Brasil Vol. 15 – 2012 – Proyecto Cultural Sur Brasil – Editora Grafiti - Faixa do CD Fulinaíma Rock Blues Poesia – a sair

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Inquietude - Flávia Vasconcelos de Brito - Lançamento



Inquietude – Flávia Vasconcelos de Brito - Lançamento

Flávia compartilhou sua poesia conosco nesta última terça na Livraria Argumento, quando foi lançada a XXIª Edição do Congresso Brasileiro de Poesia, que acontecerá de 30 de setembro a 5 de outubro em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul.

Nesta Quarta 30 de janeiro Flávia lança o seu livro de Poesia, Inquietude, na Livraria da Travessa – Rua Visconde de Pirajá, 572 – Ipanema – Rio de janeiro com coquetel a partir das 19h.


Sobre A Poesia de Flávia já disseram:

“A poesia itinerante da jornalista Flávia Vasconcelos de Brito continua peregrinando pelas livrarias. Agora é a vez da Livraria da Travessa de Ipanema fazer o lançamento do livro Inquietude, que trata da descontinuidade, a incoerência e a dilaceração da experiência. O evento no RJ acontecerá dia 30 de janeiro, a partir das 19h, com coquetel.

A jornalista convida amigos, clientes e parceiros para este encontro, numa das livrarias mais completas e interessantes do Rio de Janeiro. O lançamento de Inquietude será boa oportunidade para encontro entre 
pessoas interessantes e happy hour cultural num dos bairros mais charmosos da cidade!

Sobre Inquietude, característica plural do ser, o livro fala de um dinamismo convulso e febril das polaridades humanas e do desejo indócil de ser vastidão e nada ao mesmo tempo. Flávia engendra a realidade por meio da poesia, numa seriação de palavras, signos e significados que expõem o instante até o limite irrespirável do fragmento.

Artur Gomes
coordenador Nacionald e Literatura e Áudiovisual do Proyecto Cultural Sur Brasil – contato: poebrasoficial@gmail.com

fulinaíma produções

Inquietude - Flávia Vasconcelos de Brito - Lançamento



Inquietude – Flávia Vasconcelos de Brito - Lançamento

Flávia compartilhou sua poesia conosco nesta última terça na Livraria Argumento, quando foi lançada a XXIª Edição do Congresso Brasileiro de Poesia, que acontecerá de 30 de setembro a 5 de outubro em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul.

Nesta Quarta 30 de janeiro Flávia lança o seu livro de Poesia, Inquietude, na Livraria da Travessa – Rua Visconde de Pirajá, 572 – Ipanema – Rio de janeiro com coquetel a partir das 19h.


Sobre A Poesia de Flávia já disseram:

“A poesia itinerante da jornalista Flávia Vasconcelos de Brito continua peregrinando pelas livrarias. Agora é a vez da Livraria da Travessa de Ipanema fazer o lançamento do livro Inquietude, que trata da descontinuidade, a incoerência e a dilaceração da experiência. O evento no RJ acontecerá dia 30 de janeiro, a partir das 19h, com coquetel.

A jornalista convida amigos, clientes e parceiros para este encontro, numa das livrarias mais completas e interessantes do Rio de Janeiro. O lançamento de Inquietude será boa oportunidade para encontro entre 
pessoas interessantes e happy hour cultural num dos bairros mais charmosos da cidade!

Sobre Inquietude, característica plural do ser, o livro fala de um dinamismo convulso e febril das polaridades humanas e do desejo indócil de ser vastidão e nada ao mesmo tempo. Flávia engendra a realidade por meio da poesia, numa seriação de palavras, signos e significados que expõem o instante até o limite irrespirável do fragmento.

Artur Gomes
coordenador Nacionald e Literatura e Áudiovisual do Proyecto Cultural Sur Brasil – contato: poebrasoficial@gmail.com

fulinaíma produções

sábado, 19 de janeiro de 2013

RESGUARDAR JANEIRO PELO ANO INTEIRO



Jomard Muniz de Britto, jmb

Já ouviram falar em MEI?
Talvez seja mais do que uma sigla bonita
ou mesmo estranha. Permanência da dúvida.

Se no meio dos caminhos continuam pedras
drummundanas, calçadas esburacadas, vozes
e gestuais interrompidos, famintos de tudo,
o Movimento de Escritores Independentes
(MEI) - dos anos 80 do passado século - 
deseja resistir dentro das carências
do poetar, escrever, encarar escritas por tudo.

Para enfrentar ilusões acadêmicas e falências
do Pós-Tudo contemporâneo.

Para esquecer as mais sublimes epifanias de
Clarice Lispector e seus consagrados.

Para gozar a sabedoria dos andarilhos
na linguagem de Manoel de Barros, nosso
pré-socrático transcendendo longevidades.

Por que o crítico-pensador Antonio Cândido
não conseguiu resenhá-lo? Até quando?

Por tudo e sem todos, o MEI jogou dardos
da memória para não tornar-se esquecido
de si mesmo e de nós outros.

 Gerou sobretudo movimentAÇÕES em
relâmpagos, aquém e além dos bares,
becos famintos, folias suicidáveis.

Os que não aguentaram, morreram sem tédio.

Os sobreviventes ainda experimentam
a morte sem tábuas de salvação.

Quase tudo resguardado em exercícios de
CORPOETICIDADE sem limites.

Poetas-personagens afins, gritando
contra ridículas politicagens.

MIRÓ da Muribeca em São Paulo ou
no Cais de Santa Rita do Ré-cife
continua permanecendo preferencial.

Malungo e Chicó pelas imagens de Mateus Sá 
desafiando obsessões consumistas e neuroses
espumantes. Outro MEI, desafinando midias.

Para tentar esquecer os replicantes do
sebastianismo no Teatro de Santa Isabel.

SALVE-SE QUEM SOUBER DO NADA.

Recife, jan/2013.


quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

congresso brasileiro de poesia - lançamentos




CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA PROMOVE SESSÃO DE AUTÓGRAFOS NA LIVRARIA ARGUMENTO LEBLON

Em sua vigésima primeira edição, o Congresso Brasileiro de Poesia é um dos mais tradicionais e longevos festivais de poesia do Brasil e também da América Latina. Realizado anualmente na cidade gaúcha de Bento Gonçalves, o evento caracteriza-se por sua programação voltada em sua maior parte para as escolas do município, atingindo um público aproximado de 25 mil pessoas.

Entre os inúmeros projetos que compõem o evento, destacam-se:“Poesia na Escola”, que consiste na distribuição de livros de poesia aos alunos como forma de incentivo à leitura, “Autor Presente na Sala de Aula”, que leva os autores para as escolas, e “Poesia na Vidraça”, no qual os estabelecimentos comerciais cedem espaços em suas vitrines para a escrita de poemas, os quais, em muitos locais, permanecem intocáveis ao longo do ano seguinte.

Em suas vinte edições já realizadas o Congresso Brasileiro de Poesia levou a Bento Gonçalves grandes nomes da poesia das três Américas e também da Europa, publicou 16 volumes da coleção“Poesia do Brasil”, 9 da coleção “Poeta, Mostra a Tua Cara”e distribuiu mais de 20 mil exemplares destes livros junto às escolas e comunidade bento-gonçalvense.

No próximo dia 22, a partir das 18 horas, acontece o lançamento oficial da edição 21 do evento e dos volumes 15 e 16 da coleção“Poesia do Brasil”, na Livraria Argumento do Leblon, Rio de Janeiro, seguidos de um grande sarau.

Marina Colasanti é a escritora homenageada do evento neste ano, que acontece entre os dias 30 de setembro e 5 de outubro, na capital brasileira da uva e do vinho e também maior polo moveleiro do país.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

A Filha da Cidade



Mariza Lourenço fonte: www.diversosafins.com.br

Foto: Catharina Suleiman

O nome não importa e não creio faça diferença a essa altura do campeonato. Nem a idade. Ou a cidade onde morava. Pequena o bastante para que todos soubessem de sua vida e a recontassem, com certo exagero, a esta que escreve por mera curiosidade. Chamemo-la, portanto, de senhorita A., já na casa dos quarenta, relativamente agradável à vista, filha única entre nove irmãos. A sexta, para ser mais exata. E a única que restou naquela casa construída com o esforço de seu pai, militar reformado. Os irmãos partiram para cidades maiores. E só os viu novamente no enterro do pai, época da partilha. Deixaram para ela a casa e as parcas rendas que recebia mensalmente a título de pensão.
Senhorita A. não gostava de televisão, mas tinha verdadeiro apego ao rádio de mogno e às notícias. E às músicas que o aparelho retransmitia dia e noite. A inversão das horas era detalhe miúdo. Noite e dia. Salsa, merengue, fuga de Bach, Vicente Celestino. Ora, quem passasse em frente à casa saberia. A resistência do aparelho era impressionante. E sua sonoridade, quase pura, também. Para o mundo, ou pequena vila, era música o tempo inteiro. Para ela, supõe-se… Ah! Suposições, afinal, sempre serão especulativas. Então, que fosse somente música para ela. Todos já haviam se habituado ao som do rádio e à ausência da senhorita A. nos eventos mundanos. Ela não saía de casa. Mas escutava rádio o tempo todo.
Um dia a música calou. Acharam estranho, mas não deram tanta importância àquele silêncio repentino. O rádio, talvez, tivesse se quebrado de tão velho. Ou ela, a senhorita A., estivesse cansada de tanta música. Não se sabe. Até que um cheiro nauseabundo tomou conta de tudo. Um cheiro estranho e aterrorizante, como se todos os segredos e pecadilhos daquela cidade, ou o que ela escondia, pairassem no ar. As pessoas começaram a evitar umas às outras. A desconfiança, agora, era sentimento comum. Um dia a música retornou, baixa a princípio. Mais alta com o passar das horas. Belas músicas encheram o ar de certa esperança. Somente, então, se deram conta dos dias de ausência da senhorita A. e da música que, enfim, estava de volta, encobrindo o cheiro ruim, a desconfiança, os pecados. Bateram à sua porta. Ninguém atendeu. Arrombaram a porta. Ela não estava, mas, em sua cama, uma criança recém-nascida mexia as mãos. Fecharam a porta, levando embora o pequeno segredo.
Da senhorita A. nunca mais se soube.
(Mariza Lourenço (Valinhos/SP) é escritora e advogada. Integra as antologias: “Saciedade dos Poetas Vivos”, Vol. VI, organizada por Leila Míccolis e Urhacy Faustino (2008); “Dedo de moça – uma antologia das escritoras suicidas” (2009); “Coisas de Mulher”, organizada pelo Conselho Estadual da Condição Feminina (2010); “A poesia é para comer”, organizada por Ana Vidal (2011) e “Amar, Verbo Atemporal”, organizada por Celina Portocarrero (2012). É Coeditora da Germina – Revista de Literatura e Arte e das Escritoras Suicidas. Contato:marizalourenco@uol.com.br )

a pintura e a vida de van gogh





A PINTURA E A VIDA DE VAN GOGH

Ai, ai, as pinturas mais belas são as que sonhamos deitados na cama,
fumando um cachimbo, mas nunca pintamos.”   
                                                                                 Van Gogh

Uma vida curta e conturbada para uma longa biografia de mais de mil páginas, Van Gogh, filho de pastor, depois de fracassar em tudo que tentou fazer, decidiu ser pintor. Um pintor também “fracassado”, ou melhor incompreendido pelo seu tempo, cuja obra imensa e invejável que construiu em sua rápida existência penosa e turbulenta, vem inquietando e provocando as gerações posteriores. O livro escrito por Steven Naifeh e Gregory White Smith, é uma das biografias mais extensas e completas de um artista que se tornou um mito da arte moderna. Do nascimento do pintor à sua morte aos trinta e sete anos, os autores vasculharam a vida de um navegante solitário, remando sempre contra a correnteza.

A biografia de um artista não explica, nem justifica sua obra, mas elas se comunicam, diria o filósofo francês Merleau-Ponty. Em se tratando de Van Gogh e sua vida difícil, com episódios trágicos, é possível ver uma relação estreita entre sua obra e o modo como viveu. Mesmo com todas as dificuldades não desistiu da ilusão de ser pintor. Desde a infância com um olhar desconfiado sobre o mundo, crises de raivas, caminhadas solitárias por lugares distantes, quem sabe para distanciar-se de tudo e de todos. Criado num ambiente religioso, protegido dos excessos do pecado, privado de emoção e cor, criou um mundo colorido e emotivo como meio de transgressão.

Uma vida que colecionava infelicidades, zombarias e desafetos, buscava encontrar na arte o que não via na vida. Talvez o mais deprimido dos artistas, mas com uma produtividade incansável, como se estivesse sublimando na tela a infância não vivida e as emoções reprimidas. Ariscou a vida no trabalho da pintura, produziu como um louco mas sem perder a razão, indispensável ao ofício de pintor, “dedico-me a minhas telas com toda a minha mente”, escreveu para o irmão Theo. Acrescentou ao mundo a verdade da pintura. 

Tinha um único amigo, confidente, incentivador e responsável pelo seu sustento, com quem se correspondia e também tinha atritos, o irmão mais novo, Theo. Sem negar a rivalidade familiar, Theo era o filho que deu certo, tinha profissão, ajudava no sustento da família, tinha uma vida correta dentro do esperado nos padrões da classe média. Van Gogh era o contrário, com sua pintura ridicularizada pelos seus contemporâneos, desprovidos de informações para compreendê-las, sem aceitação no mercado. Quanta aflição. Somente mais de cinco anos depois de sua morte é que veio a ser reconhecido e celebrado. 

Queria pintar o que via, mas via o que pintava. Uma pintura de uma força irresistível, cor firme, céu agitado, uma forma particular de ver as coisas e a paisagem. Vida e obra se misturavam, o temperamento rebelde do artista, diagnosticado com várias enfermidades, - entre elas esquizofrenia, - desentendimentos, crises existenciais, a amizade tumultuada com Paul Gauguin, amputação da orelha, até a morte trágica, reavaliada no livro. Os autores descartam a hipótese, mais conhecida, de suicídio do pintor. Com um inventário de provas, acreditam em assassinato acidental. Com base em laudos médicos, que informam que a arma do crime foi disparada de certa distância do corpo, declaração do próprio artista que achava o suicídio “uma covardia moral” etc. Um crime misterioso, sem testemunha e sem o local exato do disparo, que até a arma desapareceu, mas não tão misterioso quanto a sua arte.

Suicídio ou assassinato? Longe de mim de tomar partido, não sou advogado nem perito criminal. As condições precárias em que viveu numa sociedade hostil contribuíram, sem dúvida, para o final brutal, por um ferimento de bala na parte superior do abdômen. Mas de uma coisa ninguém duvida, da fascinação e da certeza de sua pintura que muito acrescentou à história da arte. Uma obra inquestionável que ultrapassa os acidentes da vida. Quantos artistas na história viveram à margem do sistema social, com uma vida pouco digna e construíram uma obra que sensibiliza gerações.

O livro faz uma revelação importante, a meu ver, para o meio de arte, hoje em dia, recheado de qualquer coisa e sintomas culturais. Os autores mostram um Van Gogh com uma sólida formação cultural, leitor e freqüentador de museus, reflexivo, que planejava suas telas antes de realizá-las e as pintava na mais plena lucidez. “Chamam um pintor de louco se vê as coisas com olhos diferentes dos deles,” dizia nas suas correspondências para Theo. Sua pintura não era obra do acaso ou da loucura, cada gesto, cor e pincelada eram a manifestação de um pensamento. 

A problemática e a ambígua relação entre arte e loucura vem à tona. Um artista que passou temporadas internado num abismo moderno chamado hospício, nos últimos anos de sua vida, onde a liberdade humana é restrita, nos deixou uma experiência artística longe do estado de loucura. Através da arte Van Gogh escorregou da psicose, a sua pintura, se nasceu na angústia pessoal, a realidade foi transformada a partir da vontade consciente de um sujeito.

É quase impossível a compreensão da vida humana sem a presença da arte, a irracionalidade está presente na estrutura interna da obra de arte, nos adverte o filosofo alemão Heidegger. Até mesmo a pintura de uma visualidade racional, como a de um Mondrian, não deixa de ser um fenômeno irracional. A suposta loucura na arte de Van Gohg é perfeitamente reconhecida e apreendida em nosso mundo racional.

Se contemplamos nas suas telas paisagens, retratos, campos de trigo, girassóis, corvos, é um problema nosso. Ele fez apenas pintura e por isso nos inquieta até hoje e vai inquietar muitas gerações enquanto a arte existir. Se os autores dedicaram dez anos para escrever esta biografia é porque o seu personagem se entregou ao mundo para transformá-lo em pintura. Lembrei-me de Paul Valery. Van Gogh sabia o que estava pintando e para isso ele precisava não só de telas, tintas e pincéis; precisava também da razão e da imaginação.


Almandrade
(artista plástico, poeta e arquiteto)

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

cabeças cortadas

cabeças cortadas


Sargaço em tua boca espuma

em armação de búzios
 tenho um amor sagrado
guardado como jura secreta
que ainda não fiz para laís
em teus cabelos girassóis de estrelas
que de tanto vê-las o meu olho  vela
e o que tanto diz  onda do mar  não leva
da areia da praia onde grafei teu nome
para matar a sede e muito mais a fome
entranhada  na carne como flor de lotus
grudada na pele como tatuagem
flutuando ao vento como leve pluma
no salgado corpo do além mar afora
sargaço em tua boca espuma
onde vivem peixes  - na cumplicidade
do que escrevo agora

queimando em mar de fogo

Entridentes

queimando em Mar de Fogo
me registro
lá no fundo do teu íntimo
bem no branco do meu nervo
brota uma onda de sal e líquido
procurando a porta do teu cais
teu nome já estava cravado
nos meus dentes
desde quando sísifo
olhava no espelho
primeiro como Mar de Fogo
registro vivo das primeiras era
segundo como Flor de Lotus
cravado na pele da flor primavera
logo depois gravidez e parto
permitindo o Logus quando o amor quisera


arturgomes
fulinaimagem cine vídeo poesia

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

A Traição das Metáforas 5 e 6


foto: welliton rangel



A Traição das Metáforas 5

na estrada estática federika cantarolava mamãe mamãe não chora a vida é assim mesmo eu fui embora seus olhos estavam cravados na imagem em frente macabea se masturbava com os cinco dedos da mão esquerda enterrados no anus e os outros da mão direita cravados na vagina enquanto gritava seu amado: federiko! nosso mestre sala dos mares oculto longe dali pensava li não em jorge amado mas na literatura clandestinna na bahia traição é um prato de angu que se come quente com pimenta coentro e fígado de porco e não será a benedita que me fará voltar ao morro da mangueira travestido com os parangolés do oiticica me chamo federico baudelaire e não prego prego sem estopa se uso óuclos de colher é que a vida não está sopa



A Traição das Metáforas 6

No fundo negro da noite blak billye tinha um jeito gal fatal vapor barato macabea agonizava nas entrelinhas tentando a cena que não sai nem freud explica o seu corpo que cai no primeiro abismo das metáforas era meio dia mil novecentos e noventa e oito ribeirão preto em alvoroço alguém lixava uma carteira enquanto a bailarina se contorcia em sábado de páscoa ao som de pink floyd em frente as lojas americanas marcio coelho toca pérola negra e eu falo fernando pessoa a eptv me leva ao ar ao vivo e no meio da multidão em êxtase um bêbado reclama pela sua previdência jardinópolis agora é apenas uma página de jornal sem vestígios onde rabisquei alguns poemas atrás dos fios elétricos na parede da choperia sete meia zero onde me chamam federico baudelaire eu quero teu corpo de manga fruta que se chupa até sangrar ao som de um negro blues enquanto houver

Artur Gomes

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

marçal tupã



meu coração marçal tupã
sangra tupy & rock and roll
meu sangue tupiniquim
em corpo tupinambá
samba jongo maculelê
maracatu boi bumbá
a veia de curumim
é coca cola e guaraná

artur gomes/paulo ciranda

http://paulo-ciranda.blogspot.com