sábado, 21 de março de 2015

jura secreta 128


jura secreta 128

a carne que me cobre é fraca
a língua que me fala é faca
o olho que me olha vaca
alfa me querendo beta
juro que não sou poeta

a ninfa que me ímã quando arquiteta
o salto da abelha quando mel em flor
e pulsa pulsa pulsa

na matéria negra cor
quando a pele que veste é nada
éter pluma seda pelo
quando custa estar em arcozelo
desatar a lã dos fios do novelo

no sol de Amsterdã desvendar Hollandas

e os mistérios da palavra por entre os cotovelos

jura secreta 129



jura secreta 129

a coisa que me habita é pólvora
dinamite em ponto de explosão
o país em que habito é nunca
me verás rendido a normas
ou leis que me impeçam a fala
a rua onde trafego é amplo
atalho pra o submundo
o poço onde mergulho é fundo
vai da pele que me cobre a carne
ao nervo mais íntimo do osso


sampleAndo



sampleAndo 

o poema pode ser um beijo em tua boca 
carne de maçã em maio 
um tiro oculto sob o céu aberto 
estrelas de néon em Vênus 
refletindo pregos no meu peito em cruz 

na Paulista Consolação 
na Água Branca Barra Funda 
metal de prata desta lua que me inunda 
num beijo sujo com uma Estação da Luz 

nos vídeos / filmes de TV 
eu quero um clipe nos teus seios quentes 
uma cilada em tuas coxas japa 
como uma flecha em tuas costas índia 
ninja gueixa eu quero a rota teu país ou mapa 

teu território devastar inteiro 
como uma vela ao mar de fevereiro 
molhar teu cio e me esquecer na Lapa 





jura secreta 39 

quando tenso 
o poema penso 
fio suspenso no
 
              Ar 


quando teso 
o poema preso 
peixe surpreso no 
              Mar 

por onde passeio minha língua



por onde passeio minha língua
para Flavia D'Angelo

tenho aqui a língua
no meu céu da boca
o
coração em cantos
entre uma vértebra e outra
e
a flor de lotus
no jardim das quantas
tua fome tanta
me mordendo as coxas

entre esperma e sangue
onde colho os lírios
entre um beijo e dor
não comi teu fruto do desejo ainda
e esse gosto tenho entre língua e dentes
pois sonhei teu corpo numa mesa farta

onde bebi nas noites este teu leite quente

jura secreta 45



jura secreta 45


de Dante a Chico Buarque 
todos os poetas 
já cantaram suas musas 

Beatriz são muitas 
Beatriz são quantas 
Beatriz são todas 
Beatriz são tantas 

algumas delas na certa 
também já foram cantadas 
por este poeta insano e torto 
pra lhes trazer o desconforto 
do amor quando bandido 

Beatriz são nomes 
mas este de quem vos falo 
não revelo o sobrenome 

está no filme sagrado 
na pele do acetato 
na memória do retrato 
Beatriz no último ato 
da Divina Comédia Humana 
quando deita em minha cama 
e come do fruto proibido 

esfinge



esfinge 

o amor 
não é apenas um nome 
que anda por sobre a pele 
um dia falo letra por letra 
no outro calo fome por fome 
é que a pele do teu nome 
consome a flor da minha pele 

cravado espinho na chaga 
como marca cicatriz 
eu sou ator ela esfinge: 
Clarice/Beatriz: 

assim vivemos cantando 
fingindo que somos decentes 
para esconder o sagrado 
em nossos profanos segredos 
se um dia falta coragem 
a noite sobra do medo 

é que na sombra da tatuagem 
sinal enfim permanente 
ficou pregando uma peça 
em nosso passado presente 





o nome tem seus mistérios que 
se escondem sob panos 
o sol é claro quando não chove 
o sal é bom quando de leve 
para adoçar desenganos 
na língua na boca na neve 

o mar que vai e vem não tem volta 
o amor é a coisa mais torta 
que mora lá dentro de mim 
teu céu da boca é a porta 
onde o poema não tem fim 

poétika



poÉtika


eu sou drummundo 
e me confundo na matéria amorosa 
posso estar na fina flor da juventude 
ou atitude de uma rima primorosa 

e até na pele/pedra quando me invoco 
e me desbundo baratino 
e então provoco umbarafundo Cabralino 

e meto letra no meu verso 
estando prosa 
e vou pro fundo 
do mais fundo 
o mais profundo 
mineral Guimarães Rosa 


mar de búzios



mar de búzios

vaza sob meus pés um Rio das Ostras 
as minhas mãos em conchas 
passeiam o mangue dos teus seios 
e provocam o fluxo do teu sangue 

os caranguejos olham admirados 
a volúpia dos teus cios 
quando me entregas o que traz 
por entre as praias 
e permites desatar 
todos os nós do teu umbigo 

transbordando mar de búzios 
oceanos - atlântico pulsar entre dois corpos 
que se descobrem peixes - 
e mergulham profundezas 
qualquer que seja a hora 
em que se beijam num pontal 
em comunhão total com a natureza 






Cezane não pintava flores

Cezane não pintava flores 
montado em seu cavalo alado 
despeja cores 
no corpo da mulher amada 

com os pincéis 
encravados entre as coxas 
transformou Hollandas 
em quintais de vento 

reINventou o tempo 
na hora de pintar

lavra/pa/lavra



lavra/pa/lavra


a lavra da palavra quero 
quando for pluma 
mesmo sendo espora 

felicidade uma palavra 
onde a lavra explora 
se é saudade dói mas não demora 
e sendo fauna linda como a Flora 
lua Luanda vem não vá embora 

se for poema fogo do desejo 
quando for beijo que seja como agora 

a lavra da palavra quero 
seja pele pluma onde Mayara bruma 
já me diz espero 

saliva na palavra espuma 
onde tua lavra é uma 
elétrica pulsação de Eros 

a dança do teu corpo vero 
onde tu alma luna 
e o meu corpo empluma 
valsa por Laguna em beijos e boleros 

poétikas

 
poÉtika 1

a língua escava entre os dentes 
a palavra nova 
fulinaimânica/sagarínica 
algumas vezes muito prosa 
outras vezes muito cínica 

tudo o que quero conhecer: 
a pele do teu nome 
a segunda pele o sobrenome 
no que posso no que quero 

a pele em flor a flor da pele 
a palavra dândi em corpo nua 
a língua em fogo a língua crua 
a língua nova a língua lua 

fulinaímica/sagaranagem 
palavra texto palavra imagem 
quando no céu da tua boca 
a língua viva se transmuta na viagem 






não fosse esse punhal de prata 
mesmo se fosse e eu não quisesse 
o sangue sob o teu vestido 
o sal no fluxo sagrado 
sem qualquer segredo 

esse rio das ostras 
entre tuas pernas 
o beijo no instante trágico 
a língua sem que ninguém soubesse 
no silêncio como susto mágico 
e esse relógio sádico 
como um Marquês de Sade 
quando é primavera

poétikas



poÉtika 3

não fosse essa jura secreta 
mesmo se fosse e eu não falasse 
com esse punhal de prata 
o sal sob o teu vestido 
o sangue no fluxo sagrado 
sem nenhum segredo 

esse relógio apontado pra lua 
não fosse essa jura secreta 
mesmo se fosse eu não dissesse 
essa ostra no mar das tuas pernas 
como um conto do Marquês de Sade 
no silêncio logo depois do susto 


 poÉtika 4


fosse o que eu quisesse 
apenas um beijo roubado em tua boca 
dentro do poema nada cabe 
nem o que sei nem o que não se sabe 

e o que não soubesse 
do que foi escrito 
está cravado em nós 
como cicatriz no corte 
entre uma palavra e outra 
do que não dissesse 

outubro ou nada

 

outubro ou nada 

nesses dois olhos discretos
há um poema concreto
simbolista
quase secreto
agulha na minha vista
sangue profano na veia

sangue profano na veia
nesses dois olhos discretos
simbolistas
quase secretos
como um poema concreto
no prato da santa ceia



 a carne da palavra
: POESIA

l a v r a q u e s o l e t r o
todo Dia







sagarínica

a rede vazia
olha o infinito
a sua frente
estou armado de poesia
até os dentes.

jura não secreta


Jura Não Secreta

quero dizer que ainda arde 
tua manhã em minha tarde 
a tua noite no meu dia 
tudo em nós que já foi feito
com prazer ainda faria

quero dizer que ainda é cedo
ainda tenho um samba/enredo
tudo em nós é carnaval
é só vestir a fantasia

quero ser teu mestre/sala 
e você porta/bandeira 
quando chegar na quarta-feira 
a gente inventa outra fulia.





por onde quer que eu te cantasse

o tecido do amor já esgarçamos 
em quantos outubros nos gozamos 
agora que palavro Itaocaras 
e persigo outras ilhas 
na carne crua do teu corpo 
amanheço alfabeto grafitemas 
quantas marés endoidecemos 
e aramaico permaneço doido e lírico 
em tudo mais que me negasse 
flor de lótus flor de cactos flor de lírios 
ou mesmo sexo sendo flor ou faca fosse 
Hilda Hilst quando então se me amasse 
ardendo em nós salgado mar 
e Olga risse 
olhando em nós
flechas de fogo se existisse 
por onde quer que eu te cantasse
ou Amavisse

fulinaímica



ConkrEreções

qualquer palavra eu invento
na carnadura dos ossos
na escriDura do éter
na concretude do vento
na engrenagem da sílaba
vocabulário onde posso
dar nome próprio ao veneno
que tem o Agro Negócio


 

fulinaímica

não sei se escrevo tanto
não sei se escrevo tenso
um fio elétrico suspenso
com tanta coisa no Ar
não sei se olho em teu olho
pra encontrar a entrada
da porta da tua casa
onde a palavra estiver
não sei se pinto um Van Gog
ou se escrevo um Baudelaire

vida toda linguagem

 
Louise Marrie

poÉtika 68

era para ser assim como se foice
no papel de seda era língua e sangue
unhas muitos dedos dentes
nos teus céus de boca
era assim como se fosse
meus olhos no cinema
nos teus olhos presos
e o destino do poema teus lábios indefesos



 

vida toda linguagem
para Mário Faustino

não sei dizer 
o que quer dizer esta metáfora
elétrica lâmpada musa
anima minhas tardes de chuva
senhora das nuvens de chumbo
na lírica do desassossego 

eu tenho seis espadas e pedras
girassóis que roubei dos teus cabelos
o beijo que nunca mais foi dado
nos Retalhos Imortais do Serafim
linguagem um Lance de Dados
Mallarmé Nada Sabia de Mim

poemix poemax

 
poemix

o outro lado
do des/conhecido
é turvo


o outro lado
é claro




 poemax

o espanto
não tem dono
me pega no sono
quando acordo


e traça
um som incrível
como o sol
do fim do dia


quando amanheço
sou apenas
esse relâmpago insaciável
sem palavras
para aplacar o que não sei


meu estado




meu estado

tenho estado entre o fio e a navalha
perigosamente – no limite
pulando a cerca da fronteira
entre o teu estado de sítio
e o meu estado de surto
só curto a palavra viva
odeio essa  língua morta
poema que presta é linguagem
pratico a SagaraNAgem
no centro da rua torta




não fosse o amor essa viagem
porto alegre cais do porto
anjo de Zeus ou anjo torto
só acaso então seria
Baudelaire cheirando as Flores do Mal
Mallarmé em seus dias endiabrados
lance de Deus lance de Dados
numa eterna sinfonia
mesmo sendo só pecado
mesmo assim sempre amaria