terça-feira, 29 de novembro de 2016

com uma pedra cravada nos dentes da memória



1985. Bem medisse Uilcon Pereira: Gabriel de Lapuente é a ponte para o outro lado do delírio. Ricardo Pereira Lima a pedra fundamental para o marco mineral no jardim das carmelitas. Tudo isto muito antes de Caio Fernando Abreu sangrar os pulos nas calçadas de Registro e Adalgisa sobrevoar seminua os copos sujos pelos céus de Batatais.

Da janela do bus, meus  olhos ainda sonolentos abrem-se de espanto ao ver um Discco Voador de concreto ao lado de um cruzeiro na porta do cemitério. Estava eu madrugando em JardiNÓpolis para o Primeiro Encontro de Escritores promovido pela revista PHURAFROYDE de onde brotaram os 20 Poemas Com Gosto e as noites com Silvinha na chácara das jabuticabas. 

Artur Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário