segunda-feira, 28 de novembro de 2016

jura não secreta


Jura Não Secreta

se eu não beber teus olhos
não serei eu nem mais ninguém
quando roçar teus dentes
desço garganta mais além
quando tocar teu íntimo
onde o ser é mais intenso
jura secreta não penso
bebo em teus cios também



Pessoa

eu não tenho pretensões de ser moderno
nem escrevo poesia pensando em ser eterno
veja bem na minha língua as labaredas do inferno
e só use o meu poema com a força de quem xinga



Política

dois olhos bem abertos
no fundo da superfície
um olho no Planalto
o outro na Planície


Artur Gomes

foto.poesia




Nenhum comentário:

Postar um comentário