quinta-feira, 30 de março de 2017

corpo/mar


corpo/mar
para Juliana Inhasz


ela sempre me trouxe - algas -
e agora outras águas
que percebo em nossas bocas

nesta cidade de concreto
selvagem urbana
me transpira o corpo - ereto

e a pedra da  transpiração viria
 nem se fosse angelical e casta
e até morasse num  deserto

será amor será paixão
por quê quando penso esta mulher
me dá um coice nos relâmpagos do  coração?

será ela quem me dirá
ou algum deus em mim diria
pra mergulhar nestes teus poros
 neste teu mar de calmaria

viver do amor a tempestade
pois sem paixão o que seria?

esse é o segredo
de todo mistério que o poema  tem
no teu corpo/mar vou viajar em cios
e silêncios e desbravar selvas marinhas

onde a imaginação nos leva
em ondas e tocamos pernas coxas
línguas dedos os mistérios marítimos
se desvendam e no corpo/mar
não sobrará nenhum segredo

Artur Gomes


Nenhum comentário:

Postar um comentário