quarta-feira, 4 de outubro de 2017

fulinaímicas sagarânicas


não sou casta
e sei o quanto custa
me jogar as quantas
quando vejo tantas
que não tem coragem
presas pela covardia
eu sou voragem
dentro da noite veloz
na vertigem do dia

Federika Lispector



a menina fala
o menino grita
alguma coisa aflita
brota da garganta
qual navio negreiro
o sarau prossegue
enquanto um outro canta
no corredor da sala
há um navio inteiro

Cristina Bezerra


Nenhum comentário:

Postar um comentário