quinta-feira, 23 de novembro de 2017

atentado poético


atentado poético

mesmo se eu estivesse nua você nunca saberia quem eu sou muitas vezes  ando trans/vestida com a espada de Ogum Beira Mar tenho o sal entranhado em minhas coxas e o veneno na língua como um poema/pomba que não é da paz um artefato anti/bélico que pode explodir neste instante enquanto V(l)ER.

Federika Lispector

Nenhum comentário:

Postar um comentário